domingo, 8 de maio de 2011

Para mim é mais bolos!

Está a chegar a época das festas como nós chamamos. Mesmo sendo muitos aqui em casa conseguimos até agora ter um mês para cada um, o que já não é mau para o orçamento familiar.

O pai Fura bolos é de Fevereiro e tem normalmente direito a um bolo feito pela avó Gina, a minha avó e uma travessa de arroz doce.

Eu sou de Maio, mas normalmente o meu aniversário resume-se a uma boa caracolada, tradição antiga e muito apreciada pelos amigos.

Depois começam então as festas a sério... as dos miudos. Temos em Julho, Agosto, Setembro e depois em Novembro, há quem tenha ficado aborrecido por não termos tido a Julieta em Outubro ou então há aqueles que dizem que vale a pena avançar para o 5º para conseguirmos preencher os meses todos de Julho a Novembro!

Os miudos gostam de receber os amigos e nós gostamos de receber os pais, e gostamos das festas e da alegria e da agitação e de chegar ao fim do dia com um cansaço enorme mas com o sentimento de dever cumrpido.
Para isso é preciso haver petiscos e nisso o pai Fura bolos é mestre. São os rissóis, muito apreciados e já famosos, as asinhas de frango fritas, os pipis com molho para sopinhas, e com sorte uma lasanha, que tem mais fama ainda que os rissóis, para acabar.

Como não há festa sem bolo e como os miudos gostam dos bolos giros, e como os bolos giros são caros, e como eles não gostam de cremes de bolos, e como a Mãe de todos tem prazer em agradar-lhes então pensou que podia tentar fazer um bolo de aniversário.
A D. Graciete que é a pasteleira da aldeia não ficou chateada porque apesar de perder aqui uma boa cliente, sim porque com 4 filhos seria sempre uma boa aposta, pode partilhar comigo algumas dicas e tem sempre o direito a ver e provar todos os meus bolos.



Quando já andam na escola é giro levar um para os meninos comerem ao lanche e depois é preciso ter um em casa para os outros convidados, ora isto vezes 4 iria tornar-se uma despesa incomportável.

Assim a Mãe de todos foi à internet, pesquisou e encontrou algumas soluções, pastas caras de compra já prontas a usar e muito profissionais e outras pastas artesanais mais baratas e mais amadoras, a escolha foi fácil e óbvia.


Eles passam o ano inteiro a pensar no tema do bolo, este vai variando ao longo dos meses até que chega a véspera da festa e ainda não sabem ao certo o que querem, não sabem eles nem eu, e depois ainda tenho que pôr em prática o que eles decidirem.



A altura em que o bolo chega à mesa é sempre uma alegria, é lindo ver as caras deles pasmados e felizes com o bolo que a Mãe de todos fez especial e exclusivamente para eles.


Passados meses ainda é tema de conversa o bolo da festa anterior e ai começa logo a conversa do tema do próximo.

E há ainda os amigos ou familiares, como o Alex que é um amiguinho e como o Martim que é um priminho que em vez de outra prenda tiveram um bolinho especial.



 Também há outras ocasiões em que a Mãe de todos tem que ligar o forno.


Ou como hoje que de fugida na cozinha, com os amigos na sala à conversa, fez um bolo no microndas, menos elaborado é certo, mas com tanto valor como qualquer um dos outros e se cantou os parabéns a um amigo.



E o melhor disto tudo é mostrar aos miudos que um bolo leva ovos, açucar e farinha mas principalmente  amor  e partilhar com as amigas o segredo para que mais meninos possam ter bolinhos feitos em casa pelas mamãs. Fica aqui a sugestão e onde aprender.
Pasta de marshmallows