quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Noite Fantástica - Ermida N. sra da Guadalupe

Dormir numa ermida? Numa capela escura, num lugar ermo, no meio do nada, com muita gente, com histórias e história, com mistérios, com passeios e muita liberdade?
Sim, claro que sim!

O programa era tão bom e tão perto e tão apelativo, que mesmo com 6 filhos, 2 deles bebés sendo que 1 é recém nascida, não tivemos coragem para não nos inscrevermos.

Ainda estávamos abalados psicologicamente com o fracasso do concerto dos Trovante, de tal maneira que mantivemos o segredo sobre a actividade até faltar 1h para sair de casa! Fico a pensar se não será melhor assim para o futuro ...

Eram 16h quando a confusão estava instalada cá em casa, estavam os 5 mais velhos a brincar e desarrumar tudo o que podiam no quarto dos rapazes, fui até lá e entrei no espírito, mandei-lhes um papelinho com uma mensagem secreta, onde se lia que tinham que se vestir com fatos de treino e ténis, trabalhar em equipa, que o bando dos 6 ia sair em missão, e não podiam fazer perguntas!! ah ah ah esta ultima parte foi muito difícil para eles!

Entraram em histeria! Pareciam uma baratas tontas. Tínhamos 1 hora para sair de casa. Eu e o pai Fura Bolos arranjamos um farnel, arrecadamos almofadas e edredons para uns sacos e começamos a colocar tudo na carrinha.

- Mas vamos acampar??
- Mas onde vamos?
- Oh mãe diz lá!!!
- Já sei, vamos para umas tendas já montadas!!

Enfim só perguntas (aquelas que eu tinha dito que não podiam fazer) e excitação.

Ainda gravei um video no tablet, com uma mensagem ao estilo Missão impossível, que eles viram quando já estávamos na carrinha!

À hora de inicio, 17h, chegámos à Ermida, por esta altura o Tiago já tinha adivinhado onde íamos e a Julieta fazia birra que não queria sair da carrinha porque não queria dormir na ermida.
O meu plano inicial era participarmos todos nas actividades até à hora de dormir e depois eu vinha para casa com o Zé e a Rosita, por serem bebés ... , e a Julieta se ela quisesse, mas era um plano aberto.

Assim que entrámos na Ermida, os miúdos deliraram, e nós também, com o tamanho do colchão que nos estava destinado! Uau, uma verdadeira cama familiar!


Depois fomos convidados a ver fazer pão e a meter as mãos na massa também. 
Aqui já comecei a ver a Julieta a aliviar a tensão inicial, até quis amassar também com um sorriso.




Enquanto o pão foi para o forno cozer, a Ana Carla Conceição, do Walkin'Sagres levou-nos num passeio para reconhecimento de plantas à volta da ermida. 


Conforme o fim de tarde se aproximava os miúdos foram brincando nos colchões enquanto ouviam a D. Gloria, personagem criada pela Neusa Dias , a falar dos mistérios daquela ermida e das várias versões que existem sobre a sua construção.



O caldo verde e o pão com chouriço forraram o estômago para depois assistirmos à actuação do Rancho Folclórico e Etnográfico de Odiáxere  com bailarico e desfolhada.


E a noite já ia avançada, quando todos se aninharam nos colchões, entre almofadas e mantas para ouvirem histórias de sonhar pela voz do contador de histórias Bruno Batista
Um a um foram adormecendo embalados pelas histórias e pelos sonhos ...





De manhã, depois do pequeno almoço ao ar livre, com todos bem dispostos mas de caras ensonadas, receberam os certificados de participação nesta fantástica actividade, até a Rosita teve direito, e não foi à toa!
Tal como disse o plano era vir dormir a casa com os mais pequeninos, mas era um plano aberto e deu lugar a uma noite tranquila.
A Julieta antes do jantar disse logo que queria dormir lá, a Rosita adormeceu às 21h30 e só acordou às 6 da manhã, o Zé adormeceu à meia noite com as histórias, acordou às 4 para mamar e voltou a dormir até de manhã, querem melhor noite que esta? Impossível!


O mais fantástico desta actividade? É que foi inteiramente gratuita, graças à fantástica organização da Vicentina - Associação para o Desenvolvimento do Sudoeste   e colaboração de outras entidades locais. 


Foi sem dúvida uma "Noite Fantástica na Guadalupe" !


terça-feira, 20 de setembro de 2016

Sessão fotográfica de amamentação - making of

A convite do Hospital do Barlavento Algarvio (Portimão) fui com muito gosto participar numa sessão fotográfica de amamentação que tem como objectivo fazer uma exposição na semana de amamentação (1ª semana de Outubro) e posterior utilização das fotos para promoção do aleitamento materno. 

Éramos 7 mamãs, 8 bebés, 1 fotografo, 3 estudantes de fotografia, 1 maquilhadora, alguns pais e outras tantas avós, isto no terreno porque em estúdio ainda tivemos a ajuda de mais uma maquilhadora e uma assistente super simpática e prestável. 

Foi uma experiência muito boa, mais uma, vivida com alegria, partilha de ideias, troca de conhecimento e ainda por cima por uma causa que me diz tanto o aleitamento materno. 

Estou desejosa de ver as fotos e a exposição, mas para já ficamos com estas, tiradas pelo pai Fura Bolos, que dão uma ideia de como foi. 







No fim ainda com direito a este sorriso maravilhoso do Zé ao pôr do sol.


Robsonstudios

domingo, 18 de setembro de 2016

Trovante - que frustração!

Não, não estou a criticar os Trovante, nem muito menos o concerto que deram ontem à noite em Sagres, porque nem o vi todo ... e o pouco que vi deu para perceber que ia ser um grande concerto, estou sim a falar da minha frustração como mãe.

Há quase 2 semanas que sabíamos do concerto, apontei no calendário, apontei no nosso quadro semanal, falei aos miúdos da banda, combinámos ir, entusiasmei-me ... mas sinto que falhei!

Depois de um mergulho em fim de tarde, um lanche na praia, banhos e jantares, vestimos casacos, levamos carrinho, pano e mochila e abalámos para Sagres. No caminho todos iam entusiasmados, eles e nós, mas à saída da carrinha já se via que a disposição e o cansaço estavam a pregar partidas. Algumas más caras, má disposição e nós a ficarmos stressados. Pus a Rosa no pano, o Paulo carregou o Zé às costas na mochila e sentámos a Julieta no carrinho (para evitar que achasse longe ...) e fomos até ao palco.

A espera de 30 minutos fez estragos na disposição deles, a Julieta entrou em loop a dizer que não via nada (ainda que eu tenha mudado de lugar umas poucas de vezes para que visse), a Teresa estava de cara fechada como se estivesse a fazer um frete, o João não parava de fazer asneiras (ou melhor, de ser criança), o Tiago vá lá vá lá que queria ver o concerto, os bebés, Zé e Rosita não deram trabalho nenhum e dormiam ...

Zanguei-me, amuei, fiquei triste e depois de muito ameaçar que íamos embora, e enquanto o pai tinha levado o João para ir à casa de banho, empurrei o carrinho da Julieta (que continuava a chorar) e com os outros amuados atrás de mim, fiz-me ao caminho para sair dali.

Enquanto esperava pelo pai Fura Bolos (já mais afastada da multidão), uma rapariga de menina ao colo, abordou-me:
- Você não me conhece, mas eu conheço-a (daqui do blogue) e tenho que lhe dar os parabéns pela mãe que aparenta ser.
- Tem dias, respondi eu (o escuro não permitiu que ela visse as lágrimas que me bailavam nos olhos), hoje não é um deles, vou-me agora embora porque estou cansada e stressada e arrependida de ter vindo com eles ...
- Olhe e eu estou de lágrimas nos olhos porque há 11 anos que não vinha a um concerto sem ser do Panda e coisas assim ...

Ficámos assim, e na volta a casa o silencio na carrinha deixava os meus suspiros de frustração ecoar ...

Sim, eu sei que a culpa foi minha, criei expectativas e ao ver a noite de um concerto que se previa muito bom, desmoronar não soube lidar com isso.
Como se lida com isto? Como se lida com a frustração?

Tem dias, tenho dias, como qualquer mãe ... e este sábado foi um dia menos bom!

Parabéns aos Trovante pelos 40 anos de carreira ...


sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Regresso às aulas - Identificar o material

Gerir material, perdas e gastos, esquecimentos e afins não é fácil para a malta miúda, por isso se tudo estiver identificado é capaz de ser uma boa ajuda.

Hoje uma mãe perguntava-me se bastava identificar a caixa das canetas, dos lápis e assim. Respondi que não, que para cada lápis, para cada caneta, para o afia ... para os cadernos, capas ... colas ... colo uma etiqueta, pequenina ou grande. Ela ficou aflita com a quantidade de vezes que tinha que escrever o nome da filha ...
- Bem, ao pé de mim não digas uma coisa dessas, olha que eu já tive que escrever etiquetas para tudo x 4 !!
Para o material de escola o que uso são etiquetas normais, autocolantes e escrevo à mão o nome de cada um ... MUITAS vezes!






Depois vou distribuindo o material que pertence a cada um levar para a escola e eles divertem-se a colar as etiquetas. 

(este caixote não tem nem metade do material, podem imaginar que com 3 filhos no 1º ciclo e 1 no 3º ciclo ... o material é mesmo muito mais, algum ainda vai chegar para a semana, comprei quase tudo pela internet)







Para os casacos mandei fazer este ano umas etiquetas bordadas, simples, a dizer "Família Custódio", assim dá para todos, mesmo que os casacos vão passando de uns para os outros. Estas etiquetas são de coser na roupa, ou seja ainda ficam a servir para pendurar os casacos nos cabides, assim têm dupla finalidade.


O quadro de comando também está pronto, já com o calendário de Setembro/16 a Agosto/17 e os horários de cada um e dos autocarros. 


Ainda falta a epopeia de forrar os livros, mas isso só para a semana quando já tivermos todos.
E com isto parece que estamos quase quase prontos para arrancar.

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Já? Como é possível?

Já? A Julieta já está na primária??? Já?? Como é possível?

O tempo voa, a Julieta cresceu, está alta, elegante, forte, desenrascada, tem 5 anos a caminho dos 6, tem tido alguns ciumes dos manos mais novos, está nervosa com a ida para a escola ..., às vezes tira-nos do sério (ou somos nós que saímos do sério e ficamos frustrados por não perceber o que ela quer ) mas está contente!

Ontem aprendeu a andar de bicicleta, hoje foi de scooter com o pai para a escola, escoltada pelos irmãos todos, os mais velhos e os mais novos, todos para a acompanhar neste dia. Quase não esteve dentro da sala, preferiu andar de bicicleta lá fora ... e eu fiquei na sala a vê-la da janela toda feliz com o cabelo solto e sorriso na cara.

Amanhã já é "mais" a sério, mas conhecendo a professora Anabela como conheço vai ser um dia bom de certeza.
O João também vai lá estar, ficam os dois na mesma turma, 1º e 2º ano juntos, assim têm-se um ao outro para dividir a ansiedade do primeiro dia.
Nos intervalos vão poder brincar também com a mana Teresa, que estará na sala do 3º e 4º ano, enfim, juntos para o bem e para o mal, como bons irmãos!

Hoje começou um novo ano, amanhã continua!




quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Ultima tarde de férias

Hoje foi oficialmente a ultima tarde das férias de Verão!
Ufa ... conseguimos aqui chegar!

Amanhã a Julieta tem a apresentação, a nova etapa da vida escolar começa e ela está nervosa, sente-se no ar, mas feliz, porque logo hoje, mesmo mesmo antes de começar a escola, aprendeu a andar de bicicleta!!

Atirámos uma melancia para o saco, iogurtes e umas bolachas e foi mesmo assim, que saímos de casa para lanchar e apanhar o sol de fim de Verão.
A frota de bicicletas em bom estado, triciclos mais ou menos e até uma bicicleta que já tem os dias contados foi toda carregada na carrinha e eles entre pedaladas, conquistas, quedas, fatias de melancia, joelhos esfolados  e ovelhas gastaram as energias.
É que não vale mesmo a pena complicar!





O pai em casa tinha dito :
- Estás a chorar, está na hora de te arranjar uma chupeta!
E a Rosa como é mulher e sabe o que quer, passou a tarde a chuchar no dedo, como que a dizer ao pai que não precisa de ajudas!



terça-feira, 13 de setembro de 2016

9 anos da Teresa

Hoje foi dia de festa, mais um, é que somos tantos que os dias de festa vão-se estendendo pelo ano todo!

A Teresa fez 9 anos, está grande, uma menina alegre, com uma gargalhada contagiante, inteligente e uma mana crescida amorosa (principalmente para o Zé e a Rosa).
Teve a imensa surpresa de ganhar uma bicicleta, presente da avó Guida que é também para o João, portanto têm que treinar o tão importante conceito de partilha e brincar à vez, e ainda assim divertirem-se, vamos ver como corre.

Passamos o dia em família, o almoço foi uma deliciosa lasanha feita pelo pai a pedido da aniversariante e depois saímos de casa para partir o bolo e experimentar a bicicleta nova. Carregados com bicicletas, triciclos e patins, lá foram todos passar a tarde sobre rodas.

Um bolo de cenoura que não podia faltar, uma vela e a família, que mais podia a Teresa querer?
E ainda com 2 amiguinhos que estavam também por ali a brincar, e foi tão bom!

Aprender a dar valor ao essencial!