segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Gasta-se pouca água no puerpério!

"Hoje consegui tomar um duche" 

Quem já disse esta frase às amigas ou numa conversa de café é porque já teve pelo menos um filho, é ou não é verdade?

O verbo conseguir é mesmo o indicado, porque seja com 1 ou mais filhos, tomar um duche nas primeiras semanas pós parto é um feito, e não é diário, com certeza! 

Nos primeiros dias gastamos alguma água em lavagens mais intimas, principalmente se foi parto normal (seja com ou sem pontos ), mas tenho a certeza que o volume de duches, banhos de imersão então nem vou referir, reduz drasticamente para os que se consegue em vez dos que se queria (ou até mesmo devia). 

Hoje foi um desses dias! Consegui tomar um duche e não foi só. 
Rapei as pernas, as axilas, e no meio deste abuso todo até cortei as unhas dos pés e pintei! Parecia que estava num spa. 

Claro que a meio deste processo já estava a ouvir a Rosita a chorar, mas ela tinha mamado e estava ao colo do pai, por isso teve que aguentar os longos 20 minutos em que eu "tomei um duche" !



Fomos ao circo!

A tenda começou a ganhar forma, os miúdos reagiram logo: Mãe podemos ir ao circo?

Dois dias depois estava pronta, os cartazes espalhados pela aldeia diziam o horário, a carrinha com o altifalante passou à nossa porta e os miúdos ficaram cada vez mais entusiasmados!

O Circo Brasil, um circo à medida de vilas e aldeias, um espectáculo já um pouco repetido e visto mas ainda assim que vale pelo esforço de andar na estrada, de terra em terra a espalhar sorrisos na criançada. Sem animais, como convém, com malabarista, palhaços, música, fogo e mais umas coisas, diga-se de passagem que o Ambrósio é polivalente e fartou-se de trabalhar (ou não fosse ele um dos 2 artistas do circo ah ah ah ).

Os miúdos gostaram, os olhos arregalados, os sorrisos, as palmas e as perguntas mostraram que fizemos bem em ir ao circo na aldeia.






A Rosita também foi e dormiu a sessão toda, que bom que é ser recém nascida numa família numerosa!




Sábado ao ar livre

Assim de surpresa uns primos ligaram a dizer que estavam por perto, assim por sorte era o dia de folga do pai Fura Bolos, assim pensada tínhamos uma ida à praia ao pôr do sol, juntámos isto tudo e o que é que deu? Um dia muito bem passado!

Piquenique no campo, com os miúdos a aproveitarem para matar saudades do primo Francisco, muitas brincadeiras, histórias e conversas nossas com a leveza que o campo lhes dá, partilhas, risos, descanso!
Estávamos mesmo a precisar de um dia assim para aliviar o stress do fim das férias.

(Parque de Merendas do Castelejo, Vila do Bispo)

Aqui a mães e os pintainhos todos!




A Julieta e o Francisco sem dúvida que ganharam uma grande amizade desde que se conheceram, uns primos à maneira! De quem são estes pés?


Todos à fresquinha a comer o almoço.



Conseguimos! Uma foto com os nossos 6 e o primo Francisco, isto não é nada fácil!



Depois de um café na esplanada, os primos tiveram que abalar e nós aproveitámos para descer à praia e brincar! Não chegamos a ver o pôr do sol, mas já não faltava muito quando viemos embora.



sábado, 27 de agosto de 2016

Regresso às aulas - Revista Pais&Filhos

Já está nas bancas a revista Pais & Filhos de Setembro e traz muitas dicas sobre o inicio do ano lectivo.
A Mãe de Todos foi chamada a falar sobre a estreia na escola, com dicas e estratégias para tornar mais fácil esta nova etapa.

Não percam.


Regresso ás aulas - A mochila

Estamos a uns quantos dias do inicio do novo ano lectivo e por isso há que ir preparando ou comprando o material necessário.

As mochilas cá de casa foram hoje a lavar, este ano vão usar as mesmas do ano passado ... e do outro ano e do outro ...


Tirando a Julieta que este ano vai iniciar o ensino básico e por isso vai ter que comprar uma mochila nova, todos os outros vão usar as mochilas que já têm, e isso como se faz? Como se consegue?
Há tempos uma mãe dizia-me que o filho só no primeiro ano tinha tido 2 mochilas e para o 2º ano já tinha que comprar outra, ora isto não é problema se a questão for o muito uso e por isso o desgaste, mas quando é pela bonecada?

Cá em casa fazemos assim, no 1º ano do ensino básico podem escolher e comprar uma mochila, mas o truque é não se deixar levar pelas modas e ondas dos bonecos, que no ano a seguir, ou até mesmo no próximo mês, deixam de estar na moda e depois a criança já não quer.

A Teresa tem a sua mochila castanha com flores fushia desde o 1º ano, já vai para o 4º, e já me disse que gosta tanto dela que quer leva-la para o 5º ano também.

O João tem a sua mochila preta com estrelas em azuis desde o 1º ano e vai agora para o 2º ano com a mesma mochila carregada de vontade de aprender.

A Julieta vai comprar a dela daqui a dias, e será dentro da mesma linha, ou flores, ou corações ou padrões geométricos, coloridos é claro, ao gosto dela sem dúvida, mas que agrade pelo menos por 4 anos.

O Tiago tem a dele desde o 5º ano e está pronta para o 7º.

Dica importante, a cor! Se forem muito claras andam sempre sujas porque já sabemos que as mochilas não têm vida fácil nas mãos dos miúdos. Assim sendo tenho conseguido que eles encontrem mochilas giras e com padrões alegres mas em fundos escuros.

Outra questão é o preço, não escolhemos das mais caras, porque não temos orçamento para isso, mas também porque não queremos ficar zangados se por acaso algum acidente acontecer à mochila antes do tempo de vida esperado para ela. Tem é que ser funcional, de bom tamanho e com alças confortáveis.

Estas são as nossas estratégias e dicas.

Um bolo e pêras!

As árvores de fruto do avô Zé Brissos estão a começar a dar frutos. 

A cada ano que passa têm mais e mais fruta boa para comer, este ano as pêras estão em grande e são em quantidade tal que mesmo os miúdos comendo às 3 e 4 de cada vez tivemos que arranjar outras maneiras de as consumir. 



Hoje saiu um bolo de pêra. Como fiz? Aqui fica a receita (uma adaptação do bolo de cenoura do pai Fura Bolos): 

350 gr de pêras descascadas
1+ 1/2 caneca de açúcar amarelo 
4 ovos
1/2 caneca de oleo
Tudo no liquidificador e triturado/mexido durante uns minutos.
Depois verte-se para uma taça e junta-se 2 canecas de farinha, mexendo à mão (eu fiz assim) ou com a batedeira. 
Vai ao forno durante 40 minutos e serve-se ao lanche! 

Uma delicia, sente-se o sabor e a textura da pêra e ficou muito macio. 





sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Livre demanda - Amamentação

No outro dia uma senhora conhecida viu-me  com a Rosita ao colo e perguntou-me de quantas  em quantas horas ela mamava. A minha reacção foi imediata, olhei para os meus pulsos e mostrei-os à senhora dizendo:

- Olhe, não faço ideia, eu nem uso relógio! - e sorri

A verdade é que é mesmo assim, eu não uso relógio há muitos anos, quando preciso ver as horas tenho o telemóvel, e para dar de mamar com sucesso não é preciso ver horas.
A Rosita mama sempre que pede, ou não pede, mama quando chora, quando se mexe muito, quando tem soluços, quando está a dormir ou acordada ... mama porque sim e mama porque não. Está muito calor e um bebé a leite materno exclusivo precisa de mamar para comer mas também para hidratar e só vindo à mama muitas vezes se consegue isso.
Então mas isso assim "não deve ser fácil, não há rotinas,é uma grande dependência, só tu a podes acalmar...", sim é isso tudo e é assim que faz sentido para mim. Uma bebé tão pequenina precisa da mãe sempre, precisa de colo sempre e não faz a mínima ideia do que são rotinas (ela também não usa relógio como eu), por isso está perfeito.

Então é porque se calhar o leite é fraco ou não chega? - Não, é mesmo só porque é normal uma bebé mamar assim. Ela engorda bem, está bem, faz muito xixi e dorme que se desunha (esta vou dizer baixinho para não estragar), então está tudo perfeito.

O Zé também ainda está em livre demanda, sim, já tem 24 meses, mamou a gravidez toda e agora continua.

- Já viu, e antigamente diziam que na gravidez o leite estava estragado e fazia mal aos bebés que ainda mamassem ... - sorri e expliquei a esta outra senhora, já com mais idade, que não é assim, que o leite não se estraga e muito menos faz mal.

Dar de mamar assim aos 2 é cansativo? -  Uns dias sim outros não, mas é fácil, prático e ainda por cima é o melhor que lhes posso dar.