domingo, 18 de junho de 2017

A praia ... a começar

Hoje esteve muito calor, mesmo MUITO e por isso a praia não podia falhar.

O pai Fura Bolos chegou, deu um mergulho e teve que ir embora porque o trabalho não pode falhar e eu, Mãe de Todos lá fiquei com todos numa praia quente e com bandeira amarela (conseguem perceber o drama?)

Bom entre os banhos só à beirinha e o Tiago que por teimosia se enfiou na água, eu com a Rosa a dormir no sling, o Zé todo contente com uma poça e a Julieta e o João a chorarem bem alto com dor em feridas que têm nos joelhos, foi uma tarde bem passada.
(conseguem contar 6 cabeças? Então estão todos!)



E ainda tivemos tempo para um passeio até às pegadas de dinossauro.




segunda-feira, 12 de junho de 2017

Do mar para a grelha

Este podia ser o slogan de um novo restaurante de peixe grelhado, daqueles de beira de praia, vista mar ou de uma qualquer zona balnear deste nosso Algarve, mas não, foi mesmo a nossa tarde!

Ontem dei um salto à praia com os miúdos e vimos um rapaz à pesca, apanhou 3 peixitos e estava feliz. Eu achei que era uma boa ideia hoje, já que o pai Fura Bolos estava de folga, irmos até lá novamente e levar as canas. Podia ser que apanhassem também 3 peixitos e sempre dava para uma massada de peixe, assim coisa para fazer render o peixe.

O mar hoje estava alvoraçado, não dava para banhos e o pai Fura Bolos não estava muito positivo em relação à suposta pescaria.

Lançou ... e anzol preso na rocha.
Lançou novamente ... e mais um anzol perdido ...
Mudança de estratégia, e em vez de pescar ao fundo, passou para a boia (isto para quem entende de pesca faz sentido, aos outros peço desculpa mas também não sei muito para explicar!)


E sai um peixe ... e sai outro ... e os miúdos pulam e gritam de alegria e eu grito ao pai Fura Bolos "só faltam 4 para alimentar os gaiatos!"


E mais outro, e outro e outro ... e era só lançar e voltar a recolher ... e outro e outro e mais outro!


Entretanto uma amiga veio ter connosco e os miúdos dela juntaram-se aos nossos na alegria de ver sair peixe da água enquanto nós conversamos um bom bocado.


Deu para o nosso jantar de 8 pessoas e ainda para oferecer à nossa amiga peixe para o jantar dela, família de 5!

Ah e não foi preciso ser massa para fazer render o peixe!

O pai e o Tiago arranjaram o peixe mesmo ali, na praia e já o trouxemos para casa pronto para ir para a grelha! Foi mesmo um belo peixinho grelhado com uns legumes cozidos a vapor!

Fresco mais fresco não há!










sexta-feira, 9 de junho de 2017

Desmame natural - com data marcada!

Zé - Oh mãe, quando eu fizer 3 anos a Rosa tem que mamar as duas, tá bem? Que é para crescer!
Eu - Então tu quando fizeres 3 anos já não mamas, é isso?
Zé - Sim, a Rosita depois mama as duas, para ficar grande "comieu"!

Será?

Zé e Rosita a mamar em tandem há 10 meses e uns dias!


Nova Escola de Sagres

A existência da Escola de Sagres constitui um dos maiores mitos da História de Portugal. Pensa-se que a correta interpretação do termo Escola de Sagres, implementada pelo Infante Dom Henrique, estaria associado a um local de reunião de conhecedores da arte de marear e detentores do saber científico e tecnológico para em conjunto, desenvolverem métodos inovadores de navegação elaboração e produção de cartas de navegação e construção de navios para a descoberta de navios para a descoberta de novas terras e rotas comerciais.

Nós quisemos ver de perto esta Nova Escola de Sagres e levamos os miúdos à Fortaleza de Sagres onde estava uma exposição com umas actividades bem giras. 

Construir uma caravela com 10 metros? Sim, é possível, ou melhor foi possível para as crianças que por lá passaram. As fotos são deliciosas, e apesar do vento forte (nada de novo em Sagres) o mastro foi erguido e colocado no sitio! Um grande puzzle 3D, uma grande oportunidade.

As fotos mostram bem como foi uma tarde cheia de aprendizagens.






















quarta-feira, 7 de junho de 2017

Açores ... mas não dá para todos!

Os miúdos querem ir aos Açores, nós queremos ir aos Açores.

Estamos todos a fazer um mealheiro para esta viagem, que ainda vai demorar, mas hoje lembrei-me a ver os preços dos voos e... quando eu pensava que o meu maior problema seria aguentar os 6 no avião eis senão quando descubro que AFINAL NÃO PODEMOS IR TODOS AOS AÇORES!!!

Ainda eu estava a preencher a parte das crianças e PUMBA apareceu-me isto! E bloqueou e já não me deixa pôr mais!


Como fazemos? Deixo cá dois e levo 4? Tiramos à sorte? Levamos mais um adulto connosco para poder levar os NOSSOS filhos todos??

Ah espera, talvez dê! O Tiago já conta como adulto e a Rosita é ainda bebé ... será que dá??

Sério??? A sério que uma família numerosa tem que apanhar com estas coisas???

Acho que vou ter que escrever aos senhores deste site (imagino que outros é o mesmo) a dizer que PARI TODOS e por isso posso e devo levar todos a passear!

Digam-me que isto que eu estou a ver foi um erro informático!!!
Esta malta está mesmo formatada para o CASAL E 2 FILHOS (de preferência o casalinho!), e tá feito!

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Dia da família

O primeiro "trabalho de casa" do Zé desde que entrou para a creche.
Foi para comemorar o dia da família, dia 15 de Maio, que nos foi pedido para fazer um trabalho em família, em que todos os membros participassem e nós assim fizemos!

Feita a 16 mãos, nasceu esta árvore da família Custódio. Cores, rabiscos, vários tamanhos, já que com uma família de 8 pessoas não faltam variedade de gostos e opiniões.


Ficou gira, não ficou? 
Mas foi fácil? Nem tinha graça se fosse fácil. Tivemos o adolescente que primeiro não queria participar (fez a mão dele às 7 da manhã antes de ir para a escola), o pai Fura Bolos a pintar a dele às 4 da manhã, a Rosita a querer fechar a mão em vez de abrir e a Mãe de Todos a tentar que tudo isto junto desse um bom resultado. 


quinta-feira, 18 de maio de 2017

Ninho vazio

Chegaram à procura de um sitio seguro onde fazer o ninho, e encontraram a nossa porta. De longe o sitio mais sossegado, porque com 6 crianças a entrar e a sair o que não falta é movimento e barulho, mas ainda assim sentiram-se acolhidas e protegidas na nossa porta.

Não demorou muito a ouvir piar e conseguirmos ver 4 cabecinhas depenadas a espreitar. Uma penugem ralinha cobria aquelas cabecinhas e de cada vez que a mãe ou o pai se aproximavam do ninho todas espreitavam e piavam de bicos bem abertos. Foi assim durante bastantes dias, e foram crescendo.

Até que um dia, uma sai do ninho e voa, voos curtos, que acabam no chão, saltinhos, mais um voo, descanso, a mãe que pia o pai que faz um voo rasante a piar, assim se ensinam os filhotes a voar. Qual pai ou mãe como nós que dá a mão a um filho para o ajudar com os primeiros passos.

A cada manhã que passava tínhamos mais um motivo para demorarmos a nossa saída de casa.
O Zé ajudou uma andorinha a levantar voo do chão, viu a mãe chegar e piar, sabia qual era a "nossa" andorinha.
Outra manhã e mais uma que sai do ninho, e outra e outra. Incrível como estes pais de 4 conseguiram ter tempo e dar tempo a cada um dos filhos, individualmente para aprender a voar, ganhar segurança, e só depois ensinar o próximo.

O Pai Fura Bolos ainda teve que colocar um dos bebés no ninho uma vez, eu cada vez que estacionava o carro fazia-o com cuidado a olhar para o chão não fosse estar alguma das bebés caída ou a descansar, os miúdos olhavam para o ninho várias vezes ao dia e tentavam identificar no ar os que eram bebés ou os pais. Que bom que foi ter esta família aqui.

Agora já todos voam e bem alto. Já não passam os dias em idas e vindas ao ninho, há menos pios à nossa porta, mas nós ainda olhamos o ninho a cada saída de casa.

Dei por mim a dizer ao pai Fura Bolos "tenho pena que já tenham voado, será isto que vamos sentir quando ficarmos sozinhos em casa?"

Sempre tenho ouvido falar no síndrome do ninho vazio ... agora este dizer ganhou uma imagem.