sábado, 29 de dezembro de 2012

Amolador

Aquela figura mítica, que muitas vezes achamos que só ouvimos e nunca vemos, figura quase fantasma que passa e deixa um rasto de som ... mas que quando vamos para ver já passou ... ou talvez não, hoje conseguimos apanha-lo!

Vinha a tocar a sua espécie de gaita, montado na sua motorizada.

A tesoira da Mãe de Todos há uns dias que precisava de cuidados, no meio de tanto corte devo ter tentado cortar um alfinete e isso deixou marcas bem marcadas e drásticas! Mas o senhor, com o seu olho clínico agarrou nela, observou e começou a trabalhar, debaixo dos olhos curiosos de 4 miúdos que em pijama se acotovelavam ao portão para verem.

Afia daqui, amola dali, corta um trapo e está como nova.






Oh se faz favor senhor, pode tocar só a gaitinha para nós ouvirmos? E tocou e os miúdos riram!

video


Até outro dia senhor amolador.

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Natal

Enfiei o barrete verde de duende, calcei as pantufas quentinhas e durante 1 mês não fiz mais nada se não costurar! 
Confiaram em mim presentes, os das tias, dos miúdos, das irmãs, dos namorados, filhos, sobrinhos, avós ... enfim, acho que fiz presentes para todos, e quase que não tinha tempo para os meus!!
Não podia falhar, um erro meu, uma cor errada, um tecido feio podia significar um Natal estragado numa qualquer casa deste país, uma catástrofe familiar, uma zanga de cunhadas ou de nora e sogra, e eu não queria ser a responsável por isso. 

Foram noites, foram dias, Mimalhos, estojos, lenços, camisolas, golas, pantufas ... bebés, crianças ou adultos todos queriam Miminhos e eu acelerei.
Dormia às vezes, comia quando me davam comida (obrigada marido e sogro), ia à casa de banho quando conseguia.
Fiquei doente, curei-me, fui a festas da escolinha dos miúdos, fui a feiras, não fui à Zumba, fui à morte de porco (a nossa primeira e que nem pude participar como devia , fica a promessa que para a próxima não arredo pé), fiz 1 workshop para crianças (um sucesso) ... e não digo mais porque não os quero cansar tanto como eu estou hoje. 
De 23 para 24 dormi 3 horas e a 4 horas de me sentar à mesa a comer o bacalhau e a desfrutar da companhia da família foi quando entreguei a ultima encomenda!! Estava cumprida a tarefa de duende e já podia tirar o barrete verde!

Estou estoirada mas compensou. 
Este ano foi uma beleza, não gastei 1 tostão em hipermercados, não comprei um único brinquedo dos chineses e mesmo assim fiz a minha familia feliz.

Os miúdos ganharam presentes quentinhos, fofinhos e feitos com muito carinho, e eu ganhei miminhos de volta! 

Feliz Natal para todos. 


Para adquirir presentes originais visite Miminhos da Mãe de Todos  ou Miminhos da Mãe de Todos


sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Expansão do negócio - um risco calculado

Com o convite para a reportagem no correio da manhã senti que era  altura também para expandir o meu negócio.
Às vezes precisamos de algo que nos faça tomar decisões importantes que de outra maneira provavelmente não tomaríamos.

Já há muito tempo que eu pensava nisso, que achava que poderia dar certo, que não era assim um risco tão grande, que era uma decisão que podia afectar a família toda mas que no final ia ser confortável para todos, e sendo assim, assolada por estes pensamentos mas confiante, foi nessa manhã, manhã em que esperava pela fotografo do jornal que arrisquei.

Devagar, debaixo do olhar sério do pai Fura Bolos e com alguma ajuda dele ... lá arrastamos o sofá para a frente e deu-se a expansão!

33 cm, uma fila de mosaicos, mas que fizeram toda a diferença!








Os miúdos nem notaram que o sofá estava mais perto da televisão e continuam a sentar-se no chão mesmo com o nariz colado ao ecrã...

O pai Fura Bolos apesar de ter ajudado na expansão ... comentou
"Estás a esticar-te um bocadinho..."
e se calhar estou, mas nesta vida se não arriscarmos e nos esticarmos também não saímos do lugar, e apesar da única coisa que saiu do lugar ter sido o sofá, espero que me faça andar um bocadinho para a frente também!

domingo, 11 de novembro de 2012

Domingo 8h30 - banca dos jornais

É que eu sabia que tinha dado a entrevista, que tinha tirado fotos mas não sabia que ia ser capa de revista!

Pois hoje saí de casa às 8h30, direita à banca dos jornais para ir buscar os 2 exemplares que tinha mandado guardar, e enquanto eu recuperava da surpresa de estar na capa, o sr Cândido exclama ao tirar um jornal para ele "olha a Ana está na capa!" E aí percebi a dimensão desta capa!
A Mãe de Todos hoje está inchada de orgulho, um orgulho bom, humilde mas orgulho, orgulho de quem todos os dias trabalha, se senta à máquina de costura e cose, de quem deixa de ir a certos sítios para trabalhar, para criar, orgulho de não ter ficado parada, de ter dado um passo, e depois outro e agora outro, orgulho de ver os que me rodeiam orgulhosos de mim!

Passou 1 ano desde que fiz umas prendas de Natal para a família  desde que cosi a direito mas torto uns saquinhos, 1 ano desde que vi muitos vídeos de como coser, e ao olhar para trás para este ano vejo muito trabalho, muitas noites de corte e costura e muitos dias de dedicação às linhas e às agulhas.

O Pai Fura Bolos foi um maridão neste ano que passou, com muita paciência para mim e para a casa, sempre com apoio e incentivo para as minhas costuras, e desde muito cedo valorizando o meu trabalho.

Quando olho para esta capa vejo o reconhecimento do meu esforço, vejo o reconhecimento da paciência do pai Fura Bolos e vejo a alegria dos meus filhos ao verem a Mãe de Todos na revista.

E para quem não leu aqui fica a reportagem completa






segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Síndrome do envelope branco

A fazer as torradas do pequeno almoço, paro tudo e digo

"Opá! ... O que me está a fazer confusão é o que oferecer ao João e à Maria, possa, se é dinheiro nunca é nada e a típica jarra de cristal não faz o estilo, nem meu nem deles!"
"Então mas isso é fácil, oferecemos uma coisa que não há nas lojas."
Resposta pronta e rápida do Pai Fura Bolos que estava sentado à mesa à espera das torradas. (que fique aqui a nota que a maior parte dos dias é ele que faz o pequeno almoço, neste calhou-me a mim)

Estávamos convidados para o casamento do João e da Maria, com enorme prazer aceitamos e nem poríamos a hipótese de não ir, são compadres, padrinhos da nossa nº 2, amigos, companheiros e juntos há tanto tempo como nós, apesar de terem uns bons anos a menos que nós.
Eles vieram ao nosso, e nós iríamos ao deles, com toda a certeza.

Havia para resolver o problema da roupa, que para mim é sempre um problema pois o chinelo e a calça de ganga que todos os dias visto não faz parte do dress code destes eventos, e o fato de casamento do pai Fura Bolos encolheu de tal maneira que já não lhe serve na barriga ( com o passar dos anos parece que a roupa encolhe no armário...) e os miúdos que queriam roupa nova e um vestido de princesa para a Teresa... (e vá lá que só levamos 2 ... mas confesso que andei o fim de semana todo a suspirar pelos outros 2 e quase que colei na testa um papel a dizer "Tenho mais dois mas ficaram em casa!")


Entre empréstimos e compras, lá nos vestimos todos para o acontecimento e agora era altura de voltar ao presente...

"Então mas o que é que não há nas lojas?" pergunto eu já com as torradas prontas e a caminho da mesa.
"Mimalhos!"


E foi aí que o pai Fura Bolos teve a grande ideia de pedir um desenho antigo do João à mãe do João e um desenho antigo da Maria à mãe da Maria e fazer dois Mimalhos, emoldura-los e oferece-los como presente de casamento único e especial, muito especial.

A mãe do João já não tinha nada do tempo de escola, mas a mãe da Maria enviou-me um desenho muito colorido e alegre que a Maria tinha feito com 5 anos, e foi com esse desenho que trabalhei.










 Assim nasceram o Mimalho 68 e Mimalho 69 e no dia da festa em vez do monótono envelope branco oferecemos um embrulho grande e bonito com os Mimalhos dentro.






Pequenos apontamentos: 

- A Teresa esteve tão feliz, pois foi uma das meninas das alianças ... e só conseguiu perder 1 aliança 1 x no meio do vestido da noiva, que orgulhosa que eu fiquei da minha filha... 



- Obrigada à minha amiga Edite Candeias que fez um trabalho extraordinário com a moldura dos Mimalhos.


- Se quiser um Mimalho, por favor visite http://miminhosdamaedetodos.blogspot.pt/ ou https://www.facebook.com/miminhosdamaedetodos


Muitas felicidades aos noivos e obrigada pai Fura Bolos por acreditares no meu trabalho!

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Euro-milhões pelo buraco de uma agulha!

Se há um ano me dissessem que eu hoje iria fazer uma peça de costura como esta eu diria que era mais fácil acertar no euro milhões (mesmo não jogando!) e hoje digo, ainda bem que não joguei, pois poderia ter tido o azar de ganhar e hoje não teria costurado uma túnica!

Estou orgulhosa de mim, e sim posso estar, não é um sentimento feio, é o sentimento humilde de quem  tenta fazer algo e consegue, de quem vai experimentando e cosendo e descosendo até chegar ao resultado esperado ou inesperado se fosse há 1 ano!

Hoje é isto... e vou dormir realizada!




Disponível por encomenda em http://miminhosdamaedetodos.blogspot.pt/ ou https://www.facebook.com/miminhosdamaedetodos

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

O comboio dos meninos ...

vai partir vai vai,
quem se atrasa
fica em casa
no comboio não vai!

lá lá lá    lá lá lá




E foi assim que começou mais um ano lectivo. A pé pela aldeia, saímos de casa, mochilas que carregam incertezas, lanches, bonecos, saudades ...

A primeira paragem do comboio é para apanhar a Joana que segue de mão dada com o mano Pedro que insiste em ir leva-la, mesmo sabendo que não pode ficar.
O Tiago porque já é moço grande fica logo no segundo apeadeiro, a escola primária.
Pela rua fora chamamos Lara ! Lara! Mas a Lara está atrasada e quem se atrasa fica em casa...
A seguir o comboio pára em frente da casa do Vicente, que já está aos pulos de contente à espera com a sua mana Vitória que apesar da vontade também ainda não fica nesta escolinha.

Todos juntos o comboio chega à escolinha, Infantário de Budens, um lugar muito especial.

Desde a semana anterior que a quase certeza deu lugar à incerteza da esperança no coração da Mãe de Todos. O João que ficaria de fora este ano por falta de vaga, afinal poderia talvez entrar ... houve uma desistência e ele era o primeiro da fila...

Sem querer dar-lhe esperanças mas querendo trabalhar a sua confiança de que ficaria bem na escolinha caso entrasse, lá se foi juntando ao grupo, com a sua mochila às costas, carregada com um lanche que acabaria por comer em casa e uma vontade crescente de ficar com os meninos na escola.

Foram 3 dias de incerteza e no dia em que esta se transformou em certeza o João surpreendeu tudo e todos e ficou, ficou sem sequer olhar para trás, com uma cara séria mas serena e uns olhos bem abertos e avidos de brincadeiras e pinturas!

O coração da Mãe de Todos acalmou, o do pai Fura Bolos ficou inchado, e agora o João já é um menino mais crescido.



Fica a Julieta a reivindicar o seu lugar, todos os dias se tenta perder no meio dos meninos da escola para ver se fica "esquecida" , mas todos os dias tem que vir embora e aproveitar o seu tempo de "filha única" e ter o colo dos papás e avós só para ela durante umas horas.

O comboio dos meninos
vai partir vai vai
quem se atrasa fica em casa
no comboio não vai ...



quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Faço anos no Verão ...

... por isso a festa é na praia!




Foi o que a Teresa me disse há uns meses atrás, quando percebeu,  através de explicação do mano Tiago, que Setembro era Verão e que 13 de Setembro era dia de festa e de Verão.

Carregámos o carro, atrelamos a caravana, cadeiras, mesa, sombra, bebidas e comidas (tudo coisas de agarrar à mão) fatos de banho e toalhas, baldinhos e pás, boa disposição e O Bolo.



Toda a gente convocada para vir às 16h ter connosco à praia. Chegámos e estava vento, vento norte, MUITO vento norte, mas ainda assim não podíamos abortar a festa de praia, a festa de Verão, a festa dos 5 anos da Teresa. 





A caravana foi colocada em posição, a posição que nos parecia mais certa para poder abrigar do vento.

- Sorry, can you move your caravan just a little?
- No - disse eu
- But we like to open our windows ... and like this we cant.
- Sorry, we are coming here for a kids party, for 2 or 3 hours and I'm not moving one meter!

Desculpem, mas fiquei irritada, quando a senhora estrangeira que tem uma boa auto caravana mas que em vez de ir para parques de campismo e assim fazer despesa em Portugal, fica na praia, com uma boa vista para o mar mas a não deixar dinheiro nenhum cá e ainda a fazer despesa, com recolha de lixo e assim.
Eu pago impostos, eu vivo aqui, eu tenho 4 filhos que aumentam a população e contribuem para professores terem emprego, e um dia, uma só tarde, lembrei-me a usufruir do que é nosso e é isto??
Então a senhora queria que em vez de eu estar a 2 metros da auto caravana dela eu estivesse a 4 ou 5 para ela poder abrir as janelas!??? Tenham lá paciência!

Já passou.






A terra vinha no ar, o vento norte fazia os nossos cabelos andarem desgrenhados, o pó alojava-se nas pizzas e bolos, nos panados e nas gomas, mas vendo os miudos soltos na praia tudo tinha um gosto especial.

Dificil foi manter a vela acesa até ao fim dos típicos Parabéns a você ... lá lá lá.













E já no final da tarde, o sol posto, os amiguinhos regressados a casa, o frio a tomar conta da nossa falta de roupa, bebemos a ultima bebida em boa companhia.

Já todos dormem, o Pai Fura Bolos descansa no sofá, e eu, eu tenho costuras para fazer...

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Vindima

Mês de Setembro é mês de uvas e vindimas ora então posto isto, claro que a família tinha que ir vindimar!

Foi um convite agradável e divertido da Quinta dos Lopes  que nesta altura tem a vinha pronta para vindimar e pouca mão de obra. O convite oferecia um almoço debaixo da alfarrobeira em troca de uma manhã de trabalho, e nós somos logo 6 ... no trabalho e à mesa !

Domingo de manhã era a vindima, mas como este ano não houve tempo para férias, então porque não acampar na Quinta dos Lopes o fim de semana? Com a devida autorização do Sr. Lopes, chegámos e montamos arraial, brindados por um alguidar de uvas (pois então) de boas vindas.

Os miúdos deliram, correm, brincam, brigam (menos do que em casa), gritam, saltam, dormem, rastejam, sujam-se (quase tanto como em casa) ... e não sei mais o quê. Uma quinta inteira para explorar, não deve haver melhor para 4 miúdos e 1 cadela (será uma continuação dos famosos 5? ).

Levamos a nossa Esteva que pela primeira vez andou solta fora de casa, mas a espertalhona percebeu que a tenda era a sua casa de fim de semana e raramente arredava pé. Arranjou 5 amigos, o Ernesto (que é nosso vizinho), a Aurora Bonita, o Mário, o Urbano e o Maximus e todos juntos brincaram muito.

A Mãe de Todos e o Pai Fura Bolos aproveitaram para relaxar e conversar, à mesa pois então, com compadres e amigos, 2 noites espetaculares de Verão, soube bem ... e o vinho também.




Campo, espaço, 1 alfarrobeira, 1 wc ecológico, condições perfeitas, e 2 nódoas negras nas ancas de dormir de lado nas 2 noites sem colchões ... ai vida boa a quanto obrigas. 
















De manhã é que se começa o dia, figos secos, aguardente e boa disposição. Ah e já agora os garrafões de água por estas bandas têm aguardente ... e não água (que o diga o menino na foto!)




 Todos quiseram aprender e fazer, com mais ou menos jeito, cachos de uvas no balde.










Papas de caldo de peixe, pescado pelo Pai Fura Bolos e o amigo José Lopes, sardinha assada, pão, vinho e boa companhia.







Liberdade ...









Obrigada Sr. Lopes!