terça-feira, 21 de julho de 2015

Combinações improváveis

Quando se vai ao comercio local é isso que pode acontecer, comprar e encontrar coisas em sítios nunca esperados ou pensados, e não, não estou a falar de lojas do chinês!

Saí para ir ao banco, passei pela drogaria, entrei numa botique, espreitei a farmácia, fui à loja das rações e ainda visitei a retrosaria, e em todas conversei com gente, vivi.

Na drogaria comprei cabides e parafusos para as portas dos quartos dos miúdos, e ainda trouxe 2 colheres de pau. A mistura em cima do balcão, fez-me ter necessidade de dizer ao senhor que as colheres eram para mexer a sopa e não para castigar os miúdos!

Na botique procurei chinelos mas como não havia, houve tempo para conversar. Falar dos filhos, do blog, da vida de mãe. É bom falar com pessoas de carne e osso que passam por aqui virtualmente.

Na farmácia só meti o nariz, vinha gente até à porta e como não era urgente "informei" a ultima senhora da fila que voltaria noutro dia. Bem sei que a senhora não tinha que saber disto ... mas eu gosto de falar!

Na retrosaria entrei para ver dos tais chinelos, apesar de não haver a visita não foi em vão. Expliquei e ensinei como pregar um fecho numa bolsa, por isso saí de lá feliz e com um sorriso.

Finalmente fui à loja das rações, comprar uma trela e coleira para a nossa Esteva e não é que foi ali mesmo, no meio de sacas de trigo e milho, ferramentas agrícolas, sementes e botas de trabalho que encontrei a esponja para encher umas almofadas que já fiz há meses? Tanto que já tinha procurado, e ainda por cima a bom preço.

Os shoppings? Sim, são uma boa invenção para quando não há tempo ... mas roubaram por completo o encanto de uma manhã de compras.