terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Dia e noite de Natal!

E já passou mais um Natal!

O dia 24 começa logo cedo, trajados a rigor já eles andam a perguntar quando é que o velho das barbas chega.






As comidas, o tradicional e aborrecido mas necessário bacalhau cozido com batatas e couves, o cabrito assado que este ano até estava bom, a roupa velha porque claro que sobra sempre bacalhau, os bolos de cá e de lá, as sobremesas que mesmo poucas quando damos conta afinal já são demais.



Este feito pela Marie, o tradicional bolo de frutas inglês mas escrito em português.



Estes recebidos por correio, feitos pela amiga Nela e família. Estavam óptimos

E finalmente, depois de comido o bacalhau, depois de comidos os doces, lá chega a hora, que da tradicional meia noite já foi alterada para qualquer hora, desde que todos acabem de comer, é que é difícil manter 4 pirralhos todos juntos, excitados, cansados e já com sono à espera de ser a hora marcada (porque alguém assim se lembrou) para abrir os presentes.

Como nos outros anos os miúdos lá viram o Pai Natal de raspão na janela, é que o velhinho vem sempre muito à pressa porque a aldeia não é grande mas tem muitos meninos e o coitado tem que ir às casas todas. Vá lá que este ano a Mãe de todos não se molhou por ir para a rua vestida de Pai Natal para vir bater à janela, e depois correr para o quintal das traseiras, despir a farpela e  chegar à sala  enquanto os miúdos ainda estão numa enorme excitação porque o viram.
- Viste mãe, viste?!
- Sim vi, claro que vi, a mãe estáva ali ao fundo na sala mas conseguiu vê-lo. (tenho para mim que esta mentirinha todos os anos não há-de ser pecado... assim espero)
  
E os presentes este ano já aqui foram falados, e sim ainda assim havia algumas caixas grandes para eles abrirem, obrigada aos compadres que se lembram todos os anos dos nossos meninos que afinal também são os meninos deles. Fico feliz de os ver abrir presentes mas fico ainda mais feliz por ver que conseguimos reduzir bastante o numero de presentes e que eles não se sentiram incomodados com isso. Abrem cada um com mais gosto, e esperamos nós que dêem assim mais valor também a cada um.

Que a crise financeira sirva para as pessoas recuperarem da crise de valores que se instalou na nossa sociedade!




A Teresa este ano estava preocupada com o Pai Natal e com a comida para ele, e antes de ir dormir ainda lhe deixamos um lanchinho para quando ele se fosse embora comer, e não é que de manhã só lá estavam umas migalhas...! E que mal faz um pouco de magia?




E porque o Natal é para a família mas também para os amigos, lá fomos nós no dia de Natal como já vem sendo tradição, ao Christmas dinner do Max e da Marie. Um típico almoço de Natal Inglês (mais para a hora de lanche que almoço), com o perú, as salsichas enroladas em bacon, os vegetais cozidos, os molhos, as sobremesas, os crackers...

Christmas crackers or bon-bons are an integral part of Christmas celebrations in the United Kingdom and Commonwealth countries such as Australia, Canada, New Zealand and South Africa. They are also popular in Ireland. A cracker consists of a cardboard tube wrapped in a brightly decorated twist of paper, making it resemble an oversized sweet-wrapper. The cracker is pulled by two people, and, much in the manner of a wishbone, the cracker splits unevenly. The split is accompanied by a small bang or snapping sound produced by the effect of friction on a chemically impregnated card strip


Os miúdos até nem gostam, não o provam sequer, mas adoram ver esta parte de pegar fogo ao Christmas pudding que é regado com brandy e posto a arder, fazendo um efeito digno de um numero de circo.



Um almoço de Natal que apesar de ser em Portugal estava em sintonia com um almoço de Natal algures no Reino Unido, maravilhas das novas tecnologias que do longe fazem perto a ajudam a matar saudades.


   

Foi mais um Natal, igual a tantos outros mas sempre diferente.
Este ano diferente porque a Julieta que o ano passado tinha só 1 mês este ano já tinha 13 meses e já fez a festa com os outros.
E diferente porque este ano a avó Gina não estava connosco, este ano a avó Gina está doente, está num lar e por estar lá há pouco tempo, e por estar com a doença de Alzheimer foi-nos aconselhado a não ir busca-la pois iria ser muito confuso para ela... vamos lá nós visita-la.