terça-feira, 26 de maio de 2015

Dia do filho único, ou quase isso!

O dia do filho único é uma ideia que me agrada, mas está difícil de implementar cá em casa.

Já tentei perguntar a cada um o que gostaria de fazer, que pensassem numa actividade para fazerem a sós comigo e com o pai, mas até eles parece que ficam baralhados com a ideia. Estão tão habituados a fazer tudo juntos, para o bem e para o mal (quando toca a discutir quem faz o quê e porquê) que pensar em fazer alguma coisa sem os outros ... não faz parte das suas ideias.

Mas este fim de semana sem querer e sem planear consegui ter pelo menos o "dia" das meninas e o "dia" dos meninos.

Na sexta ao fim da tarde tive que ir ao trabalho do pai Fura Bolos, à pressa mandei os rapazes a pé para casa da avó e abalei com as meninas e o Zé.
Era chegar, entregar uma encomenda, beber uma bebida e voltar para casa. Mas o ambiente estava bom, as miúdas entretidas, o Zé a gatinhar e o convite para jantar foi tão agradável que não resisti.
(Restaurante Hugo Beaty, Praia da Luz)







No sábado as miúdas quiseram ir para casa da outra avó, e os rapazes já tinham regressado a casa. Então pensei em aproveitar o fim de tarde, o calor e a calma, para pôr o pé na areia.

Com 3 príncipes lá fui eu, Zé, João e Tiago, os meus rapazolas, e um fim de tarde de praia tão bom!





Pronto, não foi propriamente o dia do filho único, mas quanto a mim já foi bom.