terça-feira, 13 de janeiro de 2015

15 minutos

Pois que andamos em modo desafio e mudança.

Para trabalho de casa temos esta semana conseguir mais tempo com cada um, cada filho merece o seu tempo mesmo que sejam 5 filhos, e se o que ainda mama tem o seu tempo garantido, os outros às vezes sentem-se perdidos neste tempo que é de todos ao mesmo tempo.

15 MINUTOS EXCLUSIVOS
Os autores falam em 15 minutos exclusivos a fazermos uma actividade que os nossos filhos gostam. Mas na vida real, e dito assim, tem tudo para falhar.
Seja como for, a ideia é que todos ganham quando dedicamos 15 minutos exclusivos aos nossos filhos, diariamente. Quem tem mais que 1 filho sabe que isto pode ser complicado. Então, a minha sugestão é que possas ser criativ@ e percebas como é que isso pode funcionar convosco. Há aqui certamente pais com mais do que 2 filhos [eu sei que há com 4 e mesmo com 5! - acusem-se e digam-me como é que vão fazer isto] mas eu gosto da ideia de enquanto vamos ajudar um a preparar-se para ir dormir, que possamos fazer uma brincadeira que ele gosta e depois jogar um jogo com o mais velho que se deita um pouco mais tarde. Quando não há tempo, o momento da história ajuda. O mais importante então é que a leitura da história seja bem feita e não a despachar. (do blog Mum's the Boss )


E no meio da confusão da sopa ao lume para o jantar, o pai a vestir pijamas e a dar colos, o Tiago a preparar tudo para o seu primeiro torneio de Badminton, vem a Teresa ter comigo de boneca na mão: 

- Mas tu prometeste fazer o vestido e ainda não fizeste. 
Pois não, ainda não tinha feito, e é verdade que prometi. Agarro na tesoura, procuro os tecidos de "princesa" que tenho guardados na caixa de SOS e meto-me ao trabalho. 
Ao ver isto a Teresa pergunta:

- Tu sabes o que estás a fazer, mãe? - raio dos miúdos que conseguem perceber a milhas quando uma pessoa está a inventar alguma coisa sem ter a certeza se vai ou não sair bem.
Solto uma gargalhada e respondo
- Claro que sim! - acho que podemos desvalorizar esta mentira piedosa.

Passaram mais do que 15 minutos, foi cerca de 1 hora, a Teresa sempre de olhos pregados nas minhas mãos, de boneca na mão, e o pai a orientar a mesa e o resto da malta. Passou 1 hora que podia ser considerada de perda de tempo mas que neste caso foi de ganho. Ganhei beijos, ganhei abraços, um sorriso enorme e uma vaidade imensa pelo lindo vestido que a mãe fez.

Esta manhã saiu de casa toda inchada, mochila às costas e boneca na mão, com a advertência :
- Teresa não lhe tires o vestido ... é que a mãe acha que se rasga todo! - pronto aqui fui verdadeira e dei-lhe a entender que o molde que usei foi o do amor, que é como quem diz, fiz com amor mas as costuras são capazes de não resistir a mudanças de visual.

E afinal bastam 15 minutos ...