sábado, 10 de setembro de 2016

Pedi socorro e fui ouvida!

É assim quando se conhecem as pessoas certas, quando temos quem nos oiça e compreenda e quem saiba das coisas!

Com a Rosita tão pequenina e sozinha em casa com os 6 ao fim do dia, às vezes as coisas descambam e acontece tudo ao mesmo tempo.

Foi num dias destes, ao fim da tarde que senti que precisava de um par mãos, não um par de mãos extra, mas as minhas mãos de volta.
Eu por norma carrego os bebés em pano pois assim tenho as minhas mãos livres para fazer o que é preciso, mudar a fralda ao outro, ajudar a dar banho a outra, fazer o jantar ... ou simplesmente embalar, mas o meu pano deu o berro!

Nesta dita tarde, o calor era insuportável, a Rosa chorava e só estava bem ao colo, o Zé tirou a fralda sozinho cheia de cocó, os outros queriam atenção e eu senti que estava a perder o controlo de tudo e sem pano!

Vim ao computador e lancei o pedido de socorro à Tânia Pinto, minha amiga e consultora de babywearing e fui logo ouvida. Falámos das várias opções e o que seria melhor para mim nesta altura, com a Rosa ainda pequenina e chegamos ao sling de argolas, prático, rápido e seguro.

Ontem chegou-me a casa este sling de argolas, super macio, prático e ainda por cima giro, e eu voltei a ter as minhas mãos livres. É da marca Pé de Pano que eu não conhecia mas que adorei. Um empréstimo que veio salvar os meus dias, até eu decidir o que comprar para mim.



Na foto estou um bocado torta e o cenário não é o mais giro, mas já dá para perceber que a Rosita fica confortável e eu tenho as mãos livres! (O ar de assustada tem a ver com o que a Teresa me estava a dizer enquanto tirava a foto!)



A Tânia tem a página Colinho de Amor onde mostra muitas opções de babywearing e escreve no blog Middle Marker sobre babywearing mas também sobre outras questões da maternidade.

É bom ver o que as amigas usam ou recomendam, mas nada melhor que uma consulta com uma consultora de babywearing para experimentar várias opções e depois fazer a escolha do que serve melhor para nós próprias.