terça-feira, 6 de setembro de 2016

A vizinha Olivia partiu

 A vizinha Olivia foi sempre a vizinha Olivia, desde que eu me lembro de ser gente que a conhecia assim. A vizinha Olivia esteve presente em quase todos os meus natais de criança e de adulta.

Vizinha da minha avó, na pequena casa da rua estreitinha por onde nós gostávamos de passar, onde nós gostávamos de ir conversar, a vizinha que antes de ter televisão passava todos os serões na casa da minha avó, a vizinha Olivia.

Os nossos filhos também assim a conheceram, na casa pequenina, na rua estreitinha. Depois ainda a visitaram algumas vezes aqui no lar em frente a nossa casa, até sozinhos os mais velhos chegaram a ir lá, era a vizinha Olivia.

Ontem a vizinha Olivia partiu, com os seus 93 anos e já fora da casa pequenina da rua estreitinha, partiu e vamos ter saudades.

Aqui em casa os miúdos fizeram perguntas e quando perceberam que ia haver um funeral, evento de vida a que ainda nunca tinham ido, começaram em preparativos. Sim preparativos, não sei o que eles pensavam que seria, mas preocuparam-se em dizer que queriam tomar um banho logo de manhã e vestir as roupas que tinham escolhido para ir. O Tiago ainda atirou para o ar que queria ir de preto mas quando lhe perguntei se achava que era assim que a vizinha Olivia o gostava de ver ele percebeu que não, e assim todos perceberam que podiam ir como quisessem, arranjados e simples como crianças que são.

Como mãe percebi que para eles era óbvio irem e também achei melhor assim do que ficarem com ideias erradas na cabeça.

Fui à igreja com os 4 mais velhos enquanto o Paulo ficou na carrinha com os bebés.
O sr. padre quando nos viu entrar disse:
- Que bom ver aqui estas crianças, eram como sobrinhos netos, não?
E sim, éramos como netos para a vizinha Olivia, que nunca teve filhos e não tinha mais família.

Depois fui também ao cemitério com eles.

O que senti foi que havia muita curiosidade infantil por tudo, por verem o caixão, por perceberem como ela estava, como era o carro, e no cemitério estiveram mesmo junto à cova enquanto foi toda tapada.

Não, para mim a morte não é sempre assim tão simples, mas hoje como mãe e a dizer este até já à vizinha Olivia, com os meus filhos ali, percebi com eles como realmente a morte é assim, um evento da vida que não pode ser evitado nem deve ser escondido.

De volta a casa os mais crescidos explicaram ao Zé o que tinha acontecido :

A vizinha Olivia foi dormir um sono muito grande ... 


Até já vizinha Olivia, vamos ter saudades!