terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Um saco de compras - Natal 2017

Nesta casa são logo 6 crianças, e se em casas com 1 ou 2 já costuma haver muitos presentes e papeis para desembrulhar e criar confusão, imaginem isso x 6.

Como cada vez mais quero que eles percebam que os presentes não têm que ser o principal do Natal, tenho reduzido ao máximo os presentes e na noite de Natal abrem apenas 2 ou 3 prendas, vindas da avó e de um ou outro amigo.

Para a manhã do dia 25 guardei as surpresas que fui reunindo para cada um, e em vez de uma data de embrulhos (imaginem o tempo e o gasto de papel), comprei 6 sacos reutilizáveis dos mais pequenos (de um supermercado) e coloquei lá dentro tudo para cada um.

À porta de manhã foi este o cenário que encontraram, a cenoura que a rena comeu, e os sacos!




Para cada um fiz uma moldura com uma colagem de fotos de cada um, ou seja em que cada um é o "ator" principal, fotos antigas daquelas mais casuais que normalmente nunca se colocam nas paredes mas que são as que mais memórias trazem.

Depois tinham uma mantinha fofinha, daquelas para estar no sofá, TODAS de cores diferentes para não haver brigas do tipo "essa é minha!" "não, não essa era a minha!".

Para a dupla mais velha, Tiago e Teresa, um livro juvenil, "Tattoo" da Margarida Marinho que achei ter um tema interessante.

Para a dupla do meio, João e Julieta, o livro da minha amiga Vânia Beliz, "A viagem de Peludim" sobre sexualidade, a Julieta já quase o devorou!

Para a dupla pequenina, Zé e Rosa, uns instrumentos musicais de percussão, xilofone, maracas, ferrinhos ...

Para os 4 mais velhos, ou seja para a família, um jogo muito divertido, comprado no Até à Lua a conselho da Joana porque tenho a sorte de estar perto da loja, mas podem também ver e comprar online.

Assim se passou mais um Natal, ou seja a parte das prendas.

(Os sacos agora vão para a despensa e servem para as compras!)