domingo, 19 de março de 2017

Vê lá não caias!

Viver na aldeia e andar em Lisboa ... é isto!

Estava  no metro sentada num banco com a Rosa bem aconchegada na mochila e aos meus pés o ovinho que me emprestaram para poder andar de carro caso necessário, quando entra um rapaz, quer dizer, entraram várias pessoas , mais pessoas, porque na cidade há sempre muitas pessoas!

Nos apertos normais, entra o tal rapaz, com os seus 20 anos, e sem dizer sequer um "com licença" tentou passar para um lugar apertado à minha frente. Pobre do rapaz, lendo-lhe a linguagem corporal, tentei abrir espaço mas ... o moço tropeça no ovinho, o metro acelera no mesmo momento e eu, qual instinto de mãe (sim, porque o miúdo com 20 ano podia ser meu filho!) agarro-lhe a mão e ... digo ;
"Vê lá não caias!" Isto a agarrar-lhe a mão!
Foram segundos, o metro abrandou, ele passou e sentou-se e a cara com que ficou! Eu só me dava vontade de rir por dentro, mas o que é verdade é que espero que um dia se um filho meu se desequilibrar no metro, haja uma "mãe" por perto que o agarre!

Isto cabe na vida da cidade? Não sei, mas na minha vida cabe!