terça-feira, 28 de março de 2017

Berbigão da calçada

Mesmo sendo domingo, estar a chover a potes e só apetecer ficar em casa,  gostamos de sair e beber um café, antes de enfiar o pijama de novo e então desfrutar do som da chuva na janela e dos filmes de desenhos animados na TV ao sabor das pipocas de micro-ondas.

Ir ali ao café e voltar, só beber um cafezinho e voltar, não é assim tão rápido quando se tem 6 filhos e está a chover, mas ainda assim pode valer bem a pena, isto porque a vida na aldeia é cheia de boas histórias.

Para bebermos o nosso café calmamente e darmos dois dedos de conversa, liguei o tablet na mesa ao lado onde consegui que os 5 se sentassem a ver bonecos, isto enquanto a Rosita se regalava num sono ao colo do pai Fura Bolos.

Lá fora a chuva caía, uma "ribeira" corria mesmo na porta do café e o escuro fazia antever um dia sisudo, só que não!

Nisto ouvem-se gargalhadas, comentários altos, idas à porta, mais risadas e conversas altas e divertidas! Na tal "ribeira" que corria à porta seguiam também uns berbigões. Berbigões na calçada??
Um moço entrou a vender berbigão, um conhecido comprou um saco deles e para não sujar o chão do café coloco-os junto à porta (mas do lado de dentro), lá fora a chuva fica mais forte, alguém vai à porta e fecha-a e o saco cai para a rua ... abre-se ... e nasce a nova espécie!!! O berbigão da calçada!! Espalhados na rua, levados pela "ribeira" que corre ali à porta, lá vão eles, e atrás deles o dono do saco! Qual pescaria sui generis, nunca vista por estas bandas!

Era um domingo normal, seria um domingo triste e cinzento, não fosse um domingo na aldeia, e nas aldeias tudo se pode transformar em conversa e gargalhadas!

E foi isto, só isto ? Sim, "só" isto e valeu bem a pena!! Cada gargalhada que demos fez valer bem a pena esta ida ao café- mesmo debaixo de chuva.