sábado, 30 de maio de 2015

"Parvejar"

É quando parvejamos com eles e como eles que ficamos mais próximos!
Fim de tarde, fim de uma semana de escola é um óptimo pretexto para parvejar.
Em vez de vir para casa com eles, dei meia volta e senta-mo-nos no chão, num pedaço de relva seca, num canto qualquer, mesmo aqui perto de casa, mas era fora, diferente, espontâneo e só isso já bastou.
Ao chegar finalmente a casa estávamos todos mais preparados para as rotinas do fim do dia.
E pensar que às vezes (muitas vezes, ainda) me esqueço que adiar a rotina uns minutos para me sentar no chão com eles, faz toda a diferença.
Obrigada meus filhos por me ensinarem todos os dias a ser mãe. 




sexta-feira, 29 de maio de 2015

E porque não?

Não podia passar o aniversário sem ir para os copos, tive foi que adaptar o tipo de copos!

Para os miúdos, caipirinhas, claro! Para a Mãe de Todos uma 7up com cheiro a cerveja, porque a mamoca ainda impera cá em casa.

Depois dos copos um jantar em casa que é fórmula mais que garantida, pizzas e um bolo de chocolate, tudo comprado em 5 minutos, mas um dia não são dias e por isso hoje foi assim.

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Antes e depois

O bebé zé e o Zé rapazola!





O antes, o bebé!                                                                                     O depois, o rapazola!     



A Lena acabou e bem o trabalho dela, e ainda estava de tesoura na mão quando eu olhei para o meu Zé e só disse: "oh, onde está o meu bebé?? Dá-mo de volta!" 
Engraçado como um simples corte de cabelo, o seu primeiro corte de cabelo, faz assim tanta diferença numa caroca laroca como esta! 

Mas era mesmo preciso, aquilo já não era nada, cabelo enorme, sempre todo transpirado e nem um rabo de cavalo eu podia fazer porque os manos não deixavam ahahahah . 
Ainda assim teve sorte, este era o plano A se não resultasse o plano B era escovinha pente 4 ! Sendo assim o plano B fica adiado, pelo menos mais uns mesitos ... ou não! 



39

Recta final dos 30!
É assim que me sinto, nesta maratona de fazer anos, hoje entro no último ano dos 30, a seguir muitos mais virão, tenho a certeza, mas estes são marcantes! Tanto que já vivi, tanto que já fiz, os filhos que vejo crescer todos os dias, todos os anos!
Alguém pode pôr isto a andar mais de vagar faz favor?
Mas já que anda a bom andar então é aproveitar bem. 

Hoje mimei-me com um novo corte de cabelo, comprei peixe no mercado e falei com gente conhecida e desconhecida.

Grata por mais um dia, por mais um ano.

terça-feira, 26 de maio de 2015

O pacote!

Há uns dias comprei este pacote de trigo sarraceno para experimentar. Nunca usei, nunca fiz, provar ... não sei se alguma vez provei, mas sou de experimentar, sou pela novidade e variedade, por isso comprei. 

Há dias fui a uma óptica para rever a graduação dos meus óculos, porque com tanta falta de descanso, tanto filho, tantas noites dormidas aos bocadinhos, para além da rabugice (queixa-se o pai Fura Bolos), os olhos também estão a falhar. 

Com o pacote cá em casa há já uns dias ainda não usei o dito trigo sarraceno, e porquê? Porque de cada vez que tentei ler o rótulo com as sugestões e modo de preparação, fiquei na mesma, ou melhor fiquei pior que estragada porque não conseguia ler nem uma linha! 

Hoje fui buscar os novos óculos e assim que cheguei a casa a minha primeira preocupação não foi em subir um degrau a ver se me habituava às tais lentes progressivas, foi sim ir até à despensa e agarrar no pacote! E SIM  agora já consigo ler o rótulo, há boas probabilidades de amanhã o pequeno almoço ser papa de trigo sarraceno. 

Sim, já pensei que entretanto podia ter tirado uma foto ao pacote e depois aumentar no computador para ler , e sim, na internet devem haver muitas receitas para ler, mas sim, tanto uma coisa como a outra só me ocorreram já depois de ter os óculos novos. 





Dia do filho único, ou quase isso!

O dia do filho único é uma ideia que me agrada, mas está difícil de implementar cá em casa.

Já tentei perguntar a cada um o que gostaria de fazer, que pensassem numa actividade para fazerem a sós comigo e com o pai, mas até eles parece que ficam baralhados com a ideia. Estão tão habituados a fazer tudo juntos, para o bem e para o mal (quando toca a discutir quem faz o quê e porquê) que pensar em fazer alguma coisa sem os outros ... não faz parte das suas ideias.

Mas este fim de semana sem querer e sem planear consegui ter pelo menos o "dia" das meninas e o "dia" dos meninos.

Na sexta ao fim da tarde tive que ir ao trabalho do pai Fura Bolos, à pressa mandei os rapazes a pé para casa da avó e abalei com as meninas e o Zé.
Era chegar, entregar uma encomenda, beber uma bebida e voltar para casa. Mas o ambiente estava bom, as miúdas entretidas, o Zé a gatinhar e o convite para jantar foi tão agradável que não resisti.
(Restaurante Hugo Beaty, Praia da Luz)







No sábado as miúdas quiseram ir para casa da outra avó, e os rapazes já tinham regressado a casa. Então pensei em aproveitar o fim de tarde, o calor e a calma, para pôr o pé na areia.

Com 3 príncipes lá fui eu, Zé, João e Tiago, os meus rapazolas, e um fim de tarde de praia tão bom!





Pronto, não foi propriamente o dia do filho único, mas quanto a mim já foi bom.

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Apareceram!

Como é que eu não me lembrei logo de procurar neste lugar?
Claro, onde mais podiam estar os meus óculos senão ... na caixa do pão?


Acreditem, não fui eu que os pus lá, mas se querem saber quem foi, boa sorte, porque dos 5 nenhum se acusou, como sempre nestas situações!


Não vejo um boi à frente!

Até para escrever iro, é quase às apalpadelas ao teclado!

Há 10 dias fui a uma consulta para rever a graduação dos meus óculos, visto que já os tinha há tempo de mais e já via pouco com eles. Vim de lá com um atestado de ... quase 40! Sim, estou à beira de fazer os 39 mas já entrei na fase das maleitas dos 40.

Já não há volta a dar, só mesmo com lentes progressivas é que vou conseguir ver alguma coisa de jeito ... e saber se para me habituar não me mando ao chão umas poucas de vezes (ou muitas), mas se isto já estava assim, este fim de semana "perdi" os meus óculos actuais, ou seja, não vejo um boi à frente.
Digo "perdi" porque foi cá em casa, mas e saber deles?
Há 2 dias que ando sem nada no alto do meu nariz e a ver cada vez menos!

Nem me vou atrever a vir aqui escrever sobre o fim de semana, ainda escrevia alguma parvalheira qualquer.

A aguardar já com alguma ansiedade que os novos óculos estejam prontos, para poder retomar a vida normal ... ou nem por isso!

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Almoço surpresa

"Convite : almoçar cmg?  Tou em casa, a mesa estará pronta a hora que te der jeito :-) bjs"

Com esta mensagem não dava para recusar e foi um almoço muito agradável.

É bom ter amigos, gente que cruza a nossa vida, pessoas que conhecemos nesta aventura de ser pais.
É bom sentir que as dúvidas, as angústias, as incertezas e as poucas certezas são as mesmas e ao mesmo tempo tão diferentes, mas todas validas.
E de cada vez que estou com alguém que tem dúvidas, medos, experiências, fico mais rica porque também essas são as minhas dúvidas e medos e tenho a oportunidade de os sentir, expor e partilhar.
Grata Sandra.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

2h50 da manhã

O zé dá sinal, faz barulhinhos e acorda.
Antes que ele desperte pego nele e meto-o à mama, como faço todas as noites tantas vezes quantas as que ele pedir há já 9 meses e picos.

Mama, vai fechando os olhos, mama, e vai-se aninhando. Volta a fechar os olhos e larga a mama, mas em vez de ficar a dormir, como faz todas as noites, desperta, abre os olhos e quer que eu corresponda. Estou zonza de sono, deito-me ao lado dele e finjo que estou a dormir, pode ser que o engane, mas não engano.

Dou-lhe mais mama, embalo-o com a mama, mas não é isso que ele quer, pelo menos nesta noite. Olho ao relógio e já passou uma hora, o que normalmente demora 20 minutos, nesta noite já vai numa hora completa.
Começo a ficar zangada, cansada, e falo com ele, calmamente. Mas o cansaço é maior que isso, e falo com ele de modo rispido, ele olha para mim como que a perguntar "o que foi?" e eu olho para ele e quando vou para responder ainda mais zangada penso em ti, amiga, e caio em mim.

Que egoísta que eu estava a ser, que feia.
Tu, amiga, davas tudo para daqui a uns meses estares a passar umas horas em branco com a tua Alice nos braços, em vez disso estavas naquele momento a embala-la pela ultima vez no teu ventre.

Levanto-me, trago o Zé ao colo para a sala, e no escuro coloco musica e danço com ele nos braços.
Fecho os meus olhos e contigo no pensamento, deixo de estar zangada. O Zé adormece, mas eu continuo a dançar. São quatro e meia da manhã, estou cansada, mas já não estou zangada.
Estou grata à vida, às noites sem dormir, aos resmungos de cada um, às más caras, às madrugadas em branco.

Tu amiga, Mãe de coragem, davas tudo para ter a tua Alice nos braços e embala-la, mas quis o Universo que fosse o contrário. O teu sono será daqui para a frente velado por ela, será a Alice a embalar os teus sonhos e a te dar a força e vida que precisas. A Alice estará sempre em ti, para te apaziguar.
Tu deste-lhe a vida e respeitaste a sua partida, foste coragem, foste respeito, foste gratidão, foste Mãe.

O Zé voltou a acordar, já o sol brilhava, peguei nele, dei-lhe de mamar e assim fiquei a pensar em ti, em vós.

Tal como tu transcreveste.

"Uma loba matou um dos seus filhotes que estava mortalmente ferido. Para mim foi como uma dura lição sobre a compaixão e a necessidade de permitir que a morte venha aos que estão morrendo."
MULHERES QUE CORREM COM OS LOBOS

segunda-feira, 18 de maio de 2015

A reacção!

Confesso, esperava mais.
Esperava pulos, gritinhos, risadas, palmas... E afinal eles gostaram mas não foram nada efusivos!  

A Julieta não queria ficar no vídeo, o João só no fim percebeu o que era, a Teresa estava incrédula mas envergonhada, o Zé dormia e o Tiago engasgou-se todo a ler o bilhete que escrevi com tanto entusiasmo! 

Mas sim adoraram o presente e já ninguém os cala com as perguntas todas:
Quando vamos? 
É mesmo verdade que ganhámos? 
E posso ser piloto? 
Mas não é num dia de escola pois não? 
... 

Por eles agradeço a quem nos ajudou a ganhar e à APFN pela iniciativa. 



video

domingo, 17 de maio de 2015

Vontade de viver

A vida nem sempre é fácil mas se tivermos vontade conseguimos superar as dificuldades.

Esta pequenina flor que vi hoje fez-me pensar nisso.

As cores da tarde

Adoro as cores de um fim de tarde e quem não dá valor a isso não está a ver bem!
Uma festa de aniversário de um amiguinho é boa desculpa para estar com amigos e passar um bom bocado.

E sentada numa manta a receber os raios de sol dourados do fim de tarde embalados na brisa suave dou valor ao que vivo mais do que ao que tenho e oiço alguém dizer :

"É melhor que ser rico "

E é, é mesmo melhor.

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Dia da família

Hoje comemorou-se o dia da família e nós ganhamos um presente!

Como somos sócios da Associação Portuguesa de Famílias Numerosas, isto desde que tivemos o nosso João,  participámos num passatempo promovido pela associação e ganhámos!
Os miúdos ainda nem sabem mas tenho para mim que vão entrar em delírio quando perceberem que ganhámos bilhetes para a Kidzania!

Obrigada aos que votaram e que nos ajudaram a ganhar!


quinta-feira, 14 de maio de 2015

Vidas difíceis

Foto de família

A associação de famílias numerosas está a promover um passatempo de fotografias de família e aqui a Mãe de Todos resolveu participar.
Ora espreitem, FOTO DA NOSSA FAMÍLIA, e já agora façam um gosto.
Se formos os vencedores prometo fazer aqui também um passatempo para agradecer.


terça-feira, 12 de maio de 2015

A panela do feijão

- Na minha casa havia sempre feijão na mesa, todos os dias, depois logo se via se havia mais qualquer coisa, mas a panela do feijão era certa. 

Quem me disse esta frase foi uma mãe de 4 filhos, enfermeira, já de uma geração mais velha que eu, mas que tão bem compreende o que é fazer comida para tantos filhos! 
As panelas são maiores, as quantidades são muito diferentes do que para 1 ou 2 filhos e o tipo de comida também tem que ser muito bem pensado. 

Claro que não tem que ser sempre comida de tacho, mas não há duvida que são as melhores comidas para uma família grande. 
Algumas das tachadas que se fazem cá por casa:

- Alhada de cação 
- Massa de atum
- Frango de panela com esparguete
- Feijoada
- Favas com peixe frito (aqui o peixe frito já dá uma trabalheira ...) 
- Saladas frias (de qualquer coisa)
- Arroz de coisas 
- Atum à Brás 

O melhor que temos por cá é que os miúdos comem  de tudo, e digo tudo mesmo. Adoram vegetais, pelam-se por uma boa salada, gostam de sopas, pedem peixe cozido com bróculos ...

No outro dia na escola da Teresa foi salada de peixe com vegetais, vieram-me contar que enquanto todos fizeram caretas e custaram a acabar o prato a Teresa pediu para repetir.  

E chegado a esta família o Zé não tem alternativa senão juntar-se à malta e começar a atacar o tacho. 

Sopa de entulho de feijão.

Coze-se o feijão na panela de pressão. 
Depois de cozido juntam-se as batatas, nabos, abóbora, cenoura, cebola, alho ... tudo cortado aos bocadinhos. 
Deixa-se cozer bem, junta-se azeite, tempera-se de sal (eu tirei a do Zé antes de colocar o sal) e está pronta a servir. 

Todos gostam, todos comem e todos ficam de barriga cheia. 







segunda-feira, 11 de maio de 2015

Ás seis da tarde

Seis da tarde, cinco crianças, uma mãe e um dia inteiro para deitar cá para fora!

Sentada no chão com o Zé a trepar por mim acima, tento consolar a Julieta que está um bocado aborrecida porque o Zé não sabe brincar com ela a nada do que ela quer, e se é assim então "já não gosto dele".

Mas o Zé continua a querer o meu colo, e a Julieta não lhe apetece dividir colo nesta altura, sentado no chão também, está o João, papel e caneta na mão e quer que lhe soletre palavras para ele escrever.
"montanha" e agora "tronco" e "flor" e mais " ..." e mais sei lá quantas palavras.

O Zé aninha-se ao colo, mas quer atenção, a Julieta fecha os olhos mas continua aborrecida, quer o colo só para ela, o João não sabe bem qual é a letra f e agora a Teresa quer ler, para todos, um texto que saiu num teste que fez.

O Zé escorrega-me do colo e gatinha até ao papel do João, quer roubar-lhe a folha de papel, o João fica chateado porque ele vai estragar e antes que isso aconteça, amachuca-a ele e fica triste, a Julieta finalmente conseguiu o colo só para ela, a Teresa agora está a declamar um poema que já decorou e sentado ao computador o Tiago pede-me que vá ver um vídeo sobre biodiversidade que ele viu na aula de ciências.

Eu tenho duas mãos, dois olhos, dois ouvidos, dois braços, duas pernas ... um colo e um só coração, que nestas alturas cresce ainda mais e fica do tamanho da sala, que dá ouvidos e olhos a todos ao mesmo tempo, mas é nestas alturas também que tenho medo de não ser suficiente para todos eles.
Tento acenar a um, embalar outro, responder a outro, dizer espera a mais um, soletrar letras ... e pensar no jantar que tenho que ir fazer, mas e se tudo isto for loucura a mais e eu estiver a fazer tudo errado?

A imagem que me vem à cabeça é de um malabarista com 5 bolas, todas à vez no ar e à vez a serem apanhadas e a destreza com que ele faz isto com uma única preocupação, não deixar nenhuma cair.

Ser mãe é ser malabarista, é ter medo e mostrar coragem, ser insegura mas passar certezas, saber que quase nada sabemos e ainda assim saber de tudo e sobre tudo, ser mãe é sentar-me no chão e pensar "porra que isto não é nada fácil!"

E ainda assim, mesmo que me tivessem avisado, eu tenho a certeza que estaria na mesma às seis da tarde de uma qualquer segunda feira sentada no chão no meio desta loucura.

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Isto hoje é mesmo daqueles dias!

Há dias assim e há outros assado!

E fora tudo o resto, a coisa estava a compor-se, quando até tenho os 5 em modo brincadeira sem zangas que hoje é 6ª feira, vou para acabar um trabalho que tinha para entregar amanhã e  o que acontece? A máquina resolve empancar! Típico! Agora só 2ª feira é que a consigo levar ao "mecânico"

Obrigadinha, minha amiga!


Só por coisas vou-me agarrar ao ferro de engomar ... vá empanca lá tu também, vá! 

quarta-feira, 6 de maio de 2015

O Pai Fura Bolos é um dad bod

Pai de família pois então!

Tirando o facto de não ir ao ginásio, nunca, o exercício físico que faz chama-se trabalho, e não comer 8 fatias de pizza ... fica-se pelas 6.

Mas confere, gosta de um bom petisco acompanhado de um copo de vinho (tudo com moderação).

Podem ler a notícia aqui:

Metrossexual já era. Agora o homem adorado pelas mulheres é o dad bod - Dinheiro Vivo





O "r" e o "lhe"

" Eu sou o pirata que faz caretas e come caracóis.

Uma ovelha, uma abelha e um coelho!

E daqui a uns meses sou um menino "quescido" e vou para o "pimeio" ano. "

E é assim, aos poucos e sem darmos por isso o nosso João está a aprender a dizer os sons que ainda não dizia bem. O "r" e o "lhe" já estão quase.

Basta tempo, dar-lhes tempo e atenção. Em cada conversa há a oportunidade e de conversa em conversa as palavras vão surgindo, bem ditas e sem erros.

Feliz por termos acreditado no João.
Podem ler mais aqui.


terça-feira, 5 de maio de 2015

Ser bebé cá em casa

A vida de um bebé que está em casa com a mãe. 
Experiências, aprendizagens, descobertas, toques, sabores, sons, cores, texturas, conceitos, autonomia, tudo isto e muito mais sem pensar em nada. 

O Zé está em casa com a Mãe de Todos e isso da-lhe a oportunidade de ser bebé, tem a rotina da família, e que grande família, mas também tem a liberdade de não ter horários. Este bebé é um sortudo. 

Comer sozinho, pela sua mão e ao seu ritmo.


Brincar, brincar muito, a sala está sempre em modo tapete de brincadeiras.


Sentir o fresco da relva nos pés.


Agarrar uma ervilha com os dedos tão pequeninos.


O calor do sol e a areia que escapa entre os dedos.


Terra, ervas, vento, pó, adora!


A comida que é muito mais que alimento, é aprendizagem, cor e texturas e também sabor ...


O Zé está quase a fazer 9 meses, e nestes 9 meses já aprendeu tanto e viveu tanto! Nesta idade são umas esponjas é tão bom vê-lo a absorver tudo o que se passa à sua volta.

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Molas para meias

Sete e sete são catorze 
com mais sete vinte um
tenho sete pares de pés 
e não encontro par nenhum! 


Esta podia ser a nossa versão desta cantiga tão antiga. 

Tão antiga como esta cantiga é sem dúvida o dilema das meias sem par, e quando os pés são muitos e as meias ainda mais tudo fica mais dramático. 
aqui contei sobre este nosso drama diário, ainda assim quando abri a boca para falar éramos só 6, agora somos 7 e se de 6 para 7 a diferença são só dois pés, isso traduzido em meias é muita meia.

Cruzei-me há dias com a página das Molas para Meias, e com uma oferta especial para famílias numerosas e decidi experimentar. Simpaticamente os senhores das Molas para Meias, percebendo o meu drama de Mãe de Todos, enviaram-me um pack de amostras e aqui estamos nós a testar esta promessa de "pares de meias unidos para sempre"! 

Já usamos na lavagem e correu bem.


Depois foi só tirar da máquina e estender, perfeito, já nem é preciso mais molas para a corda.



Quando estão secas é apanhar e dobrar com a mola na mesma.


Vão para as gavetas assim e depois é só tirar a mola na hora de calçar.


É um processo que resulta, tenho a certeza, mas com tanta gente miúda tem que ser um processo aprendido e tornado rotina.
A minha ideia é colocar um cestinho com as molas na casa de banho, quando tiram as meias para tomar banho juntam-nas logo com a mola e jogam para a roupa suja, depois elas fazem o circuito normal de lavagem, secagem e dobragem e voltam à gaveta sempre com a mola!

Obrigada equipa das Molas para Meias pela vossa ajuda em tornar esta tarefa familiar mais fácil!

domingo, 3 de maio de 2015

Dia da Mãe

Foi um dia tão cheio! 

O primeiro Dia da Mãe da Mãe de Todos X 5, ufa! Com tanta gente miúda um dia destes é um dia em cheio. 
Deu para miminhos, para gargalhadas, para zangas, para birras, para corridas, para flores, abraços, beijinhos e pão quentinho com manteiga a derreter. 

O pai Fura Bolos fez pão, delicioso, com sementes como nós gostamos.




De tarde fomos dar comida aos nossos porcos e aproveitamos para fazer coroas de flores e sujar-mo-nos com terra.




Às escondidas o Tiago fez-me esta surpresa. Escreveu MÃE com flores, uma surpresa muito boa.


O Zé a brincar e a ganhar defesas, tanta terra para me sujar, tão bom!


Esta é uma daquelas em que estamos todos e não se vê ninguém! Mas contando as cabeças, bate certo, Mãe de Todos e os 5 filhotes.


A princesa Teresa com a sua coroa.

- Oh mãe onde é que aprendeste a fazer coroas destas?
- Aqui, agora, convosco. - é assim, uma mãe "sabe sempre fazer tudo"


Obrigada meus lindos pelo dia feliz.